“Viver em comunidade”

O processo de territorialização dos Ashaninka do rio Amônia

Autores

  • José Pimenta

Palavras-chave:

Ashaninka, organização social, chefia, política, comunidade, relações interétnicas

Resumo

Este artigo discute o processo de territorialização ocorrido a partir da década de 1980 entre os Ashaninka do rio Amónia. Ele mostra como o órgão indigenista desempenhou um papel importante na reorganização social dos índios, que mudaram seu padrão de assentamento e seus modos de representação política. A vida em comunidade, sob a liderança de um chefe, não pode ser entendida como uma mera imposição da Funai. O processo de territorialização apresenta-se como uma dialética complexa entre estrutura e história. Embora imposto por circunstâncias exógenas, ele foi reapropriado pelos índios em seus próprios termos, revelando a dinâmica e a criatividade da própria sociedade ashaninka que incorporou esses novos modelos, reinterpretando sua estrutura social tradicional. Ao se organizarem em comunidade, os Ashaninka também devem enfrentar novos desafios oriundos do mundo dos brancos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ALBERT, Bruce. 1993. “L 'o r cannibal et la chute du ciel. Une critique chamanique de 1'économie politique de la nature (Yanomami, Brésil)”. L'Homme, n. 126-128, p.349-378.
ALBERT, Bruce & RAMOS, Alcida Rita (orgs.). 2002. Pacificando o branco. Cosmologias do contato no norte-amazônico. São Paulo: Editora UNESP.
BAINES, Stephen Grant. 1991. "É a FUNAI que sabe ". A frente de atração Waimiri-Atroari. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi/SCT/CNPq.
BODLEY, John Harry. 1970. Campa socio-economic adaptation. Ph.D Dissertation, University of Oregon, Ann Arbor, Michigan, microfilms.
BROWN, Michael F. & FERNÁNDEZ, Eduardo. 1991. War o f shadows: the struggle fo r utopia in the peruvian Amazon. Berkeley, Los Angeles and London: University of California Press.
CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. 1978. “O papel dos postos indígenas no processo de assimilação”. In: Sociologia do Brasil indígena. Brasília: UnB; Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, p.20-27.
CHAUMEIL, Jean-Pierre. 1990. ‘“ Les nouveaux chefs...’ Pratiques politiques et organisations indigènes en Amazonie péruvienne”. Problèmes d ’Amérique Latine. 86: 93-113.
COMAROFF, Jean & COMAROFF John. 1991. O f revelation and revolution. Christianity, colonialism and consciousness in South-Africa. vol.l. Chicago and London: University of Chicago Press.
ELICK, John William. 1969. An ethnography of the Pichis Valley Campa of eastern Peru. Ph. D. Dissertation, University of California, Los Angeles.
ESPÍRITO SANTO, Marco Antônio do. 1985. Relatório de viagem à área indígena Kampa do rio Amônia. Brasília: Fundação Nacional do índio - Funai. mimeo.
HVALKOF, Soren. 1986. “El drama atual del Gran Pajonal. Primera parte: Recursos, historia, populación y produccíon asháninka” . Amazônia Peruana, 6 (12):22-30.
IORIS, Edviges Marta. 1996. A FUNAI entre os Campa e os brabos. Dissertação de mestrado em antropologia, UFRJ, Rio de Janeiro.
JACKSON, Jean. 1991. “Being and becoming an indian in the Vaupés” . In: Geg Urban & Joe) Sherzer (eds.). Nation-States and indians in Latin America. Austin: University of Texas Press, p .131-155.
JACKSON, Jean. 1995. “Culture, genuine and spurius: the politics o f indianness in the Vaupés, Colombia”. American Ethnologist, 22 (l):3-27.
LIMA, Antônio Carlos de Souza. 1995. Um grande cerco de paz. Poder tutelar, indianidade e formação do Estado no Brasil. Petrópolis: Vozes.
LITTLE, Paul. Elliott. 2002. “Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: Por uma antropologia da territorialidade”. Série Antropologia, n.322.

Downloads

Publicado

2018-02-21

Como Citar

Pimenta, José. 2018. “‘Viver Em comunidade’: O Processo De territorialização Dos Ashaninka Do Rio Amônia”. Anuário Antropológico 32 (1):117-50. https://www.gestaoesaude.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6948.
Share |